Dentro de casa | Certificação Hídrica | Torneiras | Chuveiro | Autoclismo | Máquinas de lavar | Conselhos | Bolsa |
Exterior | Pátios e quintais | Jardim | Lavagem de veículos | Piscinas | Conselhos |
Aproveitamento de águas | Formas de Aproveitamento | Água da Chuva | Água residual tratada |

ELEMENTOS DA CONSTRUÇÃO - Elementos ajardinados

As coberturas e fachadas ajardinadas estão a começar a ser mais aplicadas nos edifícios, pois permitem trazer a natureza, integrando a vegetação, para os espaços onde, atualmente, passamos mais tempo. Com a implementação desta medida podemos simplesmente criar áreas privadas ou públicas de socialização e recreio ou mesmo criar espaços para horticultura ou agricultura.

As coberturas e fachadas ajardinadas proporcionam também vários benefícios para os edifícios e para o meio urbano:

  • Melhoram o isolamento térmico e acústico dos edifícios, contribuindo para reduzir o consumo energético;
  • Protegem as estruturas dos edifícios, contribuindo para um aumento do tempo de vida dos sistemas de impermeabilização;
  • Ajudam a reduzir a poluição sonora e contribuem para a melhoria da qualidade do ar;
  • Contribuem para a redução do efeito “ilha de calor” das cidades;
  • Contribuem para reter a água da chuva, reduzindo o caudal que é encaminhado para os coletores de águas pluviais, ajudando a diminuir o risco de inundações;
  • Retardam, em caso de incêndio, a propagação do fogo na cobertura.

 

No caso das coberturas, existem três tipos de telhados ajardinados:

  • Intensivos: São concebidos para neles se instalar um jardim ou uma plantação para uso humano (incluindo agrícola) devendo estar dimensionados para suportar a carga a que ficam sujeitos, dada a espessura de solo. Requerem instalação de sistema de rega por profissionais e manutenção regular. Existem mesmo já restaurantes com hortas no telhado.
    Neste tipo de cobertura com vegetação intensiva podem ser construídos lagos com diversas formas e tamanhos. Um lago oferece um elemento visual extra, constitui uma fonte de água para os pássaros se saciarem e são um habitat natural para os peixes.
  • Extensivos: Núcleos naturais que replicam espaços geológicos utilizando plantas resistentes à seca e com pouca necessidade de irrigação. São bastante leves e dispensam estruturas complexas para proliferarem. A colocação deste género de coberturas e os seus custos de manutenção são residuais.
    O tipo de plantas selecionadas é mais natural e auto-suficiente, geralmente adaptando-se a espessuras de solo ou de substrato pequenas. Quando comparado com o intensivo, este sistema permite reduções no peso global do sistema e é encarado normalmente como uma solução ligeira de coberturas ajardinadas, podendo inclusive ser um espaço não visitável.
  • Semi-intensivas: este é um sistema intermédio entre os sistemas anteriores em que se tem um espaço visitável, mas em que se tem uma solução de meio-termo entre o sistema extensivo que não requer manutenção (ou esta é residual) e o sistema intensivo que requer um acompanhamento permanente. São utilizados perfis de substrato superiores aos do sistema extensivo, que permitem uma mais vasta escolha de espécies a utilizar, mas que também representam uma maior manutenção e maior custo que o sistema extensivo.


No caso das fachadas, estas podem funcionar como espaços verdes, com todas as vantagens, exceto a possibilidade de utilização do espaço.

Devido ao peso que estas componentes podem ter, a sua aplicação em edifícios já existentes deve ser devidamente avaliada para não introduzir problemas na estrutura do mesmo, uma vez que este não foi projetado tendo em conta essa aplicação.

 

Em Portugal já existem alguns exemplos de coberturas e fachadas ajardinadas:

• Fundação Calouste de Gulbenkian
• Jardim das Oliveiras no Centro Cultural de Belém
• Torre Verde no Parque das Nações
• ETAR de Alcântara
• Hotel Lisboa Regency, no Chiado

• Natura Towers
• C.C. Dolce Vita Tejo
• Moradia particular na Junta de Freguesia da Lapa, em Lisboa


No livro Coberturas Eficientes da ADENE, pode encontrar informação para a reabilitação de coberturas planas, em que se inclui uma solução para tornar a cobertura em área ajardinada.
 

 

Outros projectos Água por míudos

:: CONSELHOS

Substitua a mangueira pelo método do balde e pano. Poderá reduzir o consumo de água em cerca de 90% (570 litros e 57 litros, respectivamente).


HOME | DOCUMENTAÇÃO | LINKS | GLOSSÁRIO | CONTACTOS | Site desenvolvido por: