Certificações Abrangentes | Rótulos Ecológicos | Sistemas de Gestão Ambiental | Comércio Justo | Outras |
Certificações por área | Energia | Hídrica | Edifícios | Agricultura | Floresta | Têxtil | Cosmética | Produtos Marinhos |
Pegadas | Ecológica | Carbono | Hídrica |
Conselhos | Compra | Utilização | Limpeza | Alimentação | Festas | Lazer | Serviços | Fim de Vida Útil |

Conselhos - Compra

 
Boas práticas ao comprar

Praticar um consumo sustentável começa muito antes do acto de compra. Mais do que ter a preocupação de comprar produtos de baixo impacto ambiental, o primeiro passo deverá ser uma análise sobre as nossas reais necessidades de ter um determinado produto.


Antes de comprar, não esquecer:

- No caso de compras de supermercado semanais ou mensais, fazer uma lista do que realmente se precisa para evitar comprar em demasia;
- Adequar quantidades à dimensão do agregado familiar;
- Analisar se é realmente necessário adquirir todo o produto ou se é possível comprar apenas uma recarga ou uma determinada componente (por exemplo, substituir apenas a bateria, em vez de comprar um telemóvel novo);
- No caso do vestuário, renovar peças antigas antes de avançar para a compra de uma peça nova.

 

Nas compras, dar preferência a:

- Lojas e estabelecimentos locais;
- Produtos de origem nacional, regional ou local;
- Alimentos adequados à estação do ano, menos exigentes em água e energia do que se forem produzidos fora da sua época;
- Espécies que não estão ameaçadas de extinção ou sobreexploradas e que tenham sido capturadas com métodos não agressivos; respeitar os tamanhos mínimos;
- Reduzir o consumo de carnes vermelhas, cuja produção é mais poluente e mais exigente em recursos;
- Produtos em segunda mão;
- Produtos de origem biológica e/ou provenientes do comércio justo;
- Detergentes biodegradáveis, com pouco cheiro e cor;
- Produtos e/ou serviços certificados com rótulo ecológico europeu ou outra certificação específica para o setor onde se enquadra;
- Produtos pouco embalados ou com embalagens pouco complexas;
- Produtos a granel;
- Produtos duráveis, úteis e reutilizáveis;
- Garrafas de vidro de tara retornável;
- Sacos ou recipientes reutilizáveis para transportar as compras; alguns supermercados já disponibilizam as caixas de cartão usadas pelos fornecedores para os clientes transportarem os seus produtos até casa.
- O recurso à Internet ajuda a poupar recursos e deslocações, permitindo adquirir online diversos produtos como músicas, filmes, livros, jornais e revistas, descarregando-os para o computador, tablet ou smartphone, sem exigir a sua aquisição num suporte físico.

 

Na compra de roupa:

Também na escolha do vestuário é possível incluir roupas, tecidos ou até mesmo artigos de retrosaria produzidos com determinados cuidados ambientais.

Algumas lojas, mesmo que não o façam de forma exclusiva, já comercializam determinadas linhas mais ‘ecológicas’, que incluem cuidados como o uso de fibras naturais ou até mesmo de tecidos ambientalmente certificados ou produzidos em modo biológico (caso do algodão).

No caso das peças feitas de ganga, sem dúvida muito comuns, deve ser evitada a compra destes artigos com o efeito ‘gasto’, uma vez que, de forma geral, são fabricadas em países que ainda utilizam processos prejudiciais à saúde dos trabalhadores.

A compra de roupa e outros artigos para bebé e criança deve ser sempre feita com cautela, uma vez que, por crescerem depressa, rapidamente deixam de servir ou ter utilidade.
Nos casos em que não é possível herdar roupas de familiares ou amigos, uma alternativa à compra de roupas novas é optar pelas lojas de venda em segunda mão, que oferecem todas as garantias de qualidade e higiene. Desta forma, os artigos são utilizados por mais crianças, reduzindo o seu impacte ambiental bem como os custos associados, já que estes artigos serão vendidos a um preço mais reduzido.

No caso mais específico das fraldas dos bebés, uma opção mais sustentável é a utilização de fraldas reutilizáveis, mesmo que combinadas com o uso de fraldas descartáveis.
Para quem tenha dúvidas sobre a eficácia destas fraldas, é possível alugar um kit de modo a avaliar a experiência durante duas semanas e evitar uma produção tão acentuada de resíduos com as fraldas descartáveis.

Segundo um estudo da Quercus, o uso de fraldas reutilizáveis permite reduzir a produção de resíduos, nomeadamente 8kg/semana/bebé, uma redução que assume um total de 1 tonelada por bebé durante o tempo em que necessita de usar fraldas – uma média de 2 anos e meio.

 

 

 

:: CONSELHOS

Escolha produtos e/ou serviços certificados com rótulo ecológico europeu ou outra certificação independente.


HOME | DOCUMENTAÇÃO | LINKS | GLOSSÁRIO | CONTACTOS | Site desenvolvido por: