::GLOSSÁRIO

Energia | ÁGUA | MOBILIDADE

Abertura do ColectorÁrea da secção frontal de um colector através da qual a radiação solar directa normal pode atingir a superfície absorvente, directamente ou por reflexão.
AbsorvedorComponente de um sistema solar térmico de material escuro ou revestido com pintura negra ou selectiva, que tem como objectivo absorver a radiação solar e transferi-la, em forma de calor, para o liquido circulante.
Acumulação TérmicaFenómeno físico que está na base do funcionamento dos sistemas solares passivos (paredes bioclimáticas) e activos (painéis solares e fotovoltaicos). Pode ser definido como o processo ou conjunto de processos e meios utilizados para armazenar, de forma imediata, uma quantidade de energia térmica. A finalidade é devolvê-la sob outra forma ou utilizá-la num momento posterior, para o aquecimento ou arrefecimento dos ambientes interiores de um edifício.
AcumuladorAparelho destinado a absorver ou a acumular energia (eléctrica ou térmica), para a distribuir no momento oportuno e na medida requerida.
AerogeradorSistema mecânico de produção de energia com pás, que tem como fonte a força do vento. O movimento das pás da turbina, movidas pelo vento, vai accionar um gerador, que, a partir da energia mecânica produzida pelas pás, vai produzir energia eléctrica.
Alterações ClimáticasAlteração das características do clima, de uma forma acelerada, motivada pela alteração do equilíbrio da atmosfera provocada pela emissão de Gases de Efeito de Estufa (GEE) – nomeadamente CO2 (79%), CH4 (13%) e N2O (7%) - pelas actividades humanas. Esta alteração no equilíbrio da atmosfera têm um efeito devastador no ambiente provocando, de forma mais assídua e inesperada, catástrofes como inundações, secas, incêndios florestais, furacões, pragas de insectos e o degelo acelerado das calotes polares, com a subida progressiva do nível das águas do mar. Uma das consequências mais dramáticas destas situações é a diminuição crítica da biodiversidade. Estes acontecimentos têm custos enormes para a sociedade a que se poderão juntar em breve migrações em massa de desalojados por motivos ambientais. Prevê-se que a temperatura global do planeta deverá aumentar entre 1 e 3ºC durante o século XXI.
AnemómetroInstrumento utilizado para medir a velocidade do vento.
Aproveitamento Solar ActivoTransformação dos raios solares em energia térmica ou eléctrica.
Aproveitamento Solar PassivoAproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.
Arquitectura BioclimáticaTipo de arquitectura que dá especial atenção aos aspectos de adaptação da construção ao clima do lugar onde se situa, conseguida essa adaptação por meios naturais. Esta adaptação da estrutura do edifício ao clima, vai permitir fazer um arrefecimento e aquecimento passivo, isto é, sem recorrer a meios mecânicos, que precisam de energia para funcionar.
Arrefecimento EvaporativoA água, na sua mudança de líquido para vapor, necessita de absorver calor sensível, dando origem a uma diminuição da temperatura (do termómetro seco). Este arrefecimento pode ser directo, se se verificar um aumento do conteúdo do vapor de água. Neste caso, o ar exterior é arrefecido por evaporação da água, antes de entrar no edifício. Se a evaporação tiver lugar num elemento do edifício (parede, por ex.), provocando uma diminuição da temperatura da superfície desse elemento e do ar adjacente, sem que se verifique um aumento da humidade do ar, estamos perante um arrefecimento evaporativo indirecto.
Arrefecimento PassivoEfeito de arrefecimento natural dos edifícios, obtido através de soluções de construção que optimizam os efeitos climáticos e as suas variações, ou que aproveitam simples fenómenos físicos. Alguns exemplos são a protecção da radiação solar, a ventilação, as correntes de ar, os sistemas de evaporação que usam água, entre outros.
Arrefecimento pelo SoloForma de arrefecimento passiva, pois promove trocas de ar com o solo que está mais fresco que o ar no Verão, e mais quente no Inverno. No entanto este tipo de aproveitamento deve ser realizado com base num estudo do local, pois as características do solo irão determinar a sua aplicabilidade.
Arrefecimento por VentilaçãoProcesso de ventilação aproveitando a redução da temperatura exterior do ar durante a noite.
Arrefecimento RadiativoOs materiais emitem calor sob a forma de radiação electromagnética, cujo comprimento de onda depende da temperatura a que se encontram. Este é um processo contínuo, que está sempre a ocorrer. No entanto, é durante a noite que este se faz sentir, devido à ausência de radiação solar, promovendo-se as trocas entre os materiais e o ar exterior, que está mais frio.
Azimute [º]Ângulo entre o Sul e o ponto no horizonte directamente debaixo do sol.
Balanço EnergéticoÉ originado pela diferença entre as várias entradas e saídas de energia num determinado sistema. Tem em conta: a energia primária introduzida na central térmica pelas fontes energéticas, a energia solar que o edifício recebe e os contributos internos a custo zero (por exemplo: calor fornecido pelos habitantes, uso da cozinha, dos electrodomésticos e da iluminação). Em termos de perdas abrange a energia perdida por transmissão e por ventilação, através das paredes do edifício (incluindo a energia associada à humidade) ou dissipada pela instalação térmica, nas fases de produção, regulação, distribuição e emissão de calor.
Bi-horárioTarifário que promove o consumo de electricidade, com uma tarifa bastante mais reduzida, em horários em que a procura desta forma de energia é muito baixa.
BiocombustíveisCombustíveis com origem em culturas energéticas ou resíduos naturais. Uma das formas de obtenção de biocombustíveis, é na reconversão de óleos alimentares usados.
BiodiselBiocombustivel líquido com origem em culturas energéticas como o girassol ou a colza.
BiogásBiocombustível com origem na degradação biológica anaeróbia da matéria orgânica contida nos efluentes agro-pecuários, da agro-indústria, ou urbanos e ainda nos aterros de RSU (Resíduos Sólidos Urbanos). É constituído por uma mistura de metano (CH4) em percentagens que variam entre os 50% e os 70% sendo o restante escencialmente CO2.
BiomassaBiocombustível com origem nos produtos e resíduos da agricultura (incluindo substâncias vegetais e animais), os resíduos da floresta e das indústrias conexas e a fracção biodegradável dos resíduos industriais e urbanos.
BTUBritish thermal Unit. Unidade térmica inglesa. É a quantidade de calor necessário para retirar a 1 libra de água, para diminuir a sua temperatura 1ºF. Um BTU equivalente a 0,252 kcal.
CalorEnergia que se transmite de um corpo com uma temperatura superior para outro com uma temperatura inferior, através de processos de condução (nos sólidos), convecção (nos fluidos) e radiação. É produzido por transformação do trabalho mecânico, por absorção de ondas electromagnéticas, na sequência de reacções químicas e nucleares e, em geral, na sequência de qualquer transformação energética. Inicialmente medido em calorias (cal), a actual unidade de medida do calor é o Joule, usado pelo Sistema Internacional.
Camada de OzonoCamada formada por moléculas de ozono, que protege a Terra da radiação solar ultravioleta, e que se situa na estratosfera.
Capacidade CaloríficaRepresenta-se por C a capacidade calorífica do material como sendo a energia necessária para o sistema aumentar a sua temperatura em um grau centígrado. A capacidade calorífica depende do material em consideração.
Carvão ActivadoCarvão especial produzido para ser utilizado como filtro para eliminar odores desagradáveis, purificando o ar.
Célula de CombustívelEquipamento que converte energia de um combustível (por exemplo Hidrogénio) directamente em electricidade e calor, sem combustão, através de um processo electroquímico. Devido a não haver combustão as fuel cell ou células de combustível são um processo de conversão com “zero emissões”.
Célula FotovoltaicaUnidade básica de um painel fotovoltaico.
CFC (Clorofluorcarbonetos)Classe de compostos orgânicos que contêm carbono, cloro e flúor, usados na refrigeração, em frigoríficos, ar condicionados, embalagens, isolamentos, ou como solventes e impulsores em aerossóis. Os CFCs não são tóxicos, mas vêm sendo abolidos porque se acumulam na atmosfera superior, onde a luz solar os transforma em agentes químicos que destroem a camada de ozono protectora da terra.
Chaminé SolarMecanismo de ventilação passivo, que reforça a ventilação natural da casa. O aquecimento do ar na chaminé faz com que este se eleve para o exterior da casa, criando um movimento de ar no interior da casa, devido à sua substituição por ar mais frio.
Classe de Eficiência EnergéticaClassificação da eficiência que um equipamento tem no uso da energia eléctrica que consome, permitindo comparar dois aparelhos que exercem o mesmo tipo de funções. A eficiência varia entre A (mais eficiente) e G (menos eficiente), sendo que para os frigoríficos já existem as classes A+ e A++ (eficiência energética superior a A).
CogeraçãoProcesso no qual um combustível fóssil é queimado produzindo energia, a qual é utilizada para a produção de energia eléctrica quando turbinado o vapor resultante, sendo também aproveitado o excesso de calor para a produção de água quente.
Combustíveis FosseisCombustíveis formados no subsolo a partir da decomposição de restos de animais, plantas e toda a matéria viva. Ao fim de cerca de dois milhões de anos essa matéria orgânica origina o carvão, dando posteriormente lugar ao petróleo e ao gás natural. Actualmente a economia global é ainda muito dependente destes recursos naturais, que se prevê que esgotem em poucas décadas. A sua excessiva utilização acarreta grandes impactes para o ambiente e para a saúde pública.
ConcentradorSistema constituinte de um painel solar, que aumenta a intensidade dos raios solares através de espelhos ou lentes especiais.
Condutividade TérmicaÉ a capacidade que uma substância possui para transmitir calor por condução. É geralmente simbolizada com a letra K , ou então denominado de U-value.
Conforto TérmicoSensação de bem-estar relativamente à temperatura ambiente. Depende de um equilíbrio a atingir entre o calor produzido pelo corpo e as perdas de calor do corpo para o meio ambiente. Não existe nenhuma regra rígida que nos indique quais as melhores condições para o conforto de todas as pessoas. O conforto de um individuo é afectado mediante vários factores: saúde, idade, actividade, roupas, sexo, etc.
COP - Coeficiente de EnergiaÉ a relação entre a potência calorífica total dissipada em watts e a potência eléctrica total consumida (W), durante um período típico de funcionamento. Define, assim, a eficiência do aparelho. Quanto maior for este valor, maior será a eficiência do equipamento em causa.
Corrente AlternadaCorrente cuja polaridade e intensidade variam periodicamente no tempo. Electrodomésticos que funcionam com este tipo de corrente têm que ter um adaptador, pois a energia que vem na rede vem em corrente contínua. É o caso dos televisores, que têm que ter um adaptador para passar a corrente contínua para alternada.
Corrente ContínuaCorrente cuja polaridade e intensidade são constantes. Vários tipos de electrodomésticos funcionam com este tipo de corrente, como por exemplo torradeiras.
CPC - (Concentrador Parabólico Composto)Tipo de colector solar destinado à conversão da energia solar em energia térmica.
Dispositivos SombreadoresMateriais movíveis ou amovíveis, que reduzem a incidência de radiação directa na casa, através das janelas. Podem ser palas horizontais (para janelas orientadas a Sul) ou verticais (para janelas orientadas a Este e Oeste), no caso de não serem movíveis, estores (exteriores de preferência), persianas, etc.
Edifício VerdeEdifício que proporciona o desempenho especificado ao mesmo tempo que minimiza a perturbação e contribui para a melhoria do ecossistema, local, regional e global, durante e depois da sua construção e da vida útil que lhe foi estabelecida.
Efeito de EstufaEfeito criado pela atmosfera terrestre e certos gases como o CO2, que deixam passar para a Terra a radiação proveniente do sol, mas que retêm a radiação depois de reflectida na terra, retendo assim o calor, como numa estufa. O efeito de estufa é útil, necessário à vida pois mantém calor na Terra, mas as alteração no equilíbrio da atmosfera, devido à excessiva emissão de gases, está a influenciar este processo de uma forma nociva, fazendo com que fique mais calor retido, aumentando a temperatura da atmosfera, podendo conduzir a alterações climáticas.
EficiênciaRazão entre a energia produzida e a energia consumida ou recebida.
EnergiaÉ a capacidade de produzir um efeito, e pode ser de forma transitória ou permanente. As formas permanentes incluem: energia interna, potencial, cinética, química e nuclear. A energia transitória pode ser por exemplo o calor, trabalho, energia mecânica, etc.
Energia das MarésEnergia renovável, gerada pela diferença de amplitude entre marés, que vão produzir trabalho mecânico, que vai gerar electricidade.
Energia das OndasEnergia renovável, gerada pela movimentação das ondas, que vão produzir trabalho mecânico, que por sua vez vai produzir electricidade.
Energia EólicaEnergia renovável com fonte no vento resultante do deslocamento de massas de ar, derivado dos efeitos das diferenças de pressão atmosférica entre duas regiões distintas, influenciado por efeitos locais como a orografia e a rugosidade do solo.
Energia GeotérmicaEnergia renovável com fonte no calor interno da Terra.
Energia HídricaEnergia Renovável com fonte na energia potencial resultante dos fluxos de água nos rios.
Energia RenovávelFonte de energia ilimitada, uma vez que a sua utilização “hoje” não implica diminuição da sua disponibilidade “amanhã”. Ex.: Solar, Eólica.
Energia SolarEnergia renovável proveniente dos raios solares que pode ser, utilizada com (activo) ou sem (passivo) recurso a equipamentos. Recorrendo a equipamentos ela pode ser convertida em electricidade (fotovoltaica e térmica) ou em calor (térmica).
Energy StarEtiqueta criada pela Agência de Protecção do Ambiente (EPA) nos Estados Unidos para os equipamentos informáticos, dotados de um dispositivo de funcionamento económico, promovendo a poupança de energia. Este sistema estendeu-se a outros tipos de aparelhos, como frigoríficos, máquinas de lavar louça, sistemas áudio/vídeo, iluminação, sistemas de conforto térmico e até mesmo a casas que passaram a utilizar determinados critérios de economia de energia.
Envelope da CasaElementos da casa que estão directamente expostos aos agentes de deterioração: paredes exteriores, varandas, cobertura, portas e janelas exteriores, etc.
EnvolventeVizinhança, local onde se encontra a habitação. Joga com o modo como o edifício se encontra posicionado e orientado, e as características das áreas circundantes (vizinhança próxima).
Equipamento que converte corrente directa em corrente alterna.Material com a capacidade de reduzir, de forma acentuada, as trocas de calor entre o exterior e o interior de um edifício. Este deve ser aplicado pelo exterior da habitação, se esta for de parede simples, ou no meio da parede, se esta for dupla.
Estufa Solar (Jardim de Inverno Doméstico)Sistema de aquecimento passivo, que actua como um espaço tampão, reduzindo consideravelmente as perdas de calor da casa para o exterior, contribuindo também para aquecer a casa pela transmissão do calor nela armazenado. No verão este elemento tem que ser inactivado, por forma a não provocar um aquecimento adicional da casa nesta estação.
Etiqueta de Eficiência EnergéticaFicha que reune as caracteristicas técnicas de cada aparelho, tais como a eficiência no consumo de energia e no consumo de água (para as máquinas de lavar), e os níveis de ruído produzidos pelo funcionamento do equipamento. Esta etiqueta é obrigatória para os equipamentos de frio (frigorificos e arcas), máquinas de lavar e/ou secar roupa, máquinas de lavar loiça, fornos eléctricos, lâmpadas e aparelhos de ar condicionado.
Etiqueta Ecológica EuropeiaSe o aparelho corresponde a certos critérios ecológicos em relação ao seu consumo de energia, mas também relativamente ao impacto dos seus componentes (fluidos de refrigeração e espumas, por exemplo) no ambiente, ele pode ser contemplado com a etiqueta ecológica europeia.
Gases de efeito de estufa (GEE)Constituintes gasosos da atmosfera, tanto naturais como antropogénicos, que absorvem e emitem radiações em comprimentos de onda específicos dentro do espectro de radiação infravermelha emitido pela superfície da Terra, pela atmosfera e pelas nuvens. São eles o vapor de água (H2O), dióxido de carbono (CO2), óxido nitroso (N2O), metano (CH4), clorofluorcarbonetos (CFCs), hidrofluorcarbonetos (HFCs), perfluorcarbonetos (PFCs) e hexafluoreto de enxofre (SF6).
HCFC (Hidroclorofluorocarbonetos)Este composto veio substituir os CFCs, por se pensar que não contribuía para a destruição da camada de ozono. No entanto estudos têm demonstrado que este composto somente é menos prejudicial que os CFCs, contribuindo também para a destruição da camada de ozono.
Hidrogénio (H)Elemento químico mais abundante na terra. Este elemento não é uma fonte de energia, mas sim permite acumular energia em grandes quantidades, que é produzida por outras fontes (renováveis ou não). O próprio processo de produção do hidrogénio pode ser utilizando energias de fontes renováveis ou não.
HigroscopicidadeÉ a propriedade que os materiais porosos têm para, quando colocados no estado seco num determinado ambiente a uma determinada humidade relativa, reterem nos seus poros uma certa quantidade de humidade existente no ambiente, até se atingir uma situação de equilíbrio (equilíbrio higroscópico) com esse mesmo ambiente.
Inércia TérmicaCapacidade que o elemento tem de manter a sua temperatura quando a temperatura ambiente varia.
InfiltraçãoÉ chamada infiltração ao ar que entra num edifício através de pequenas fendas ao redor dos caixilhos e de portas.
InsolaçãoEnergia solar recebida num determinado local durante um certo período de tempo. Pode ser expressa em horas solares por dia [hsol/dia] ou watts por metro quadrado por hora [W/m2.h].
InversorEquipamento que converte corrente directa em corrente alterna.
Isolamento TérmicoMaterial com a capacidade de reduzir, de forma acentuada, as trocas de calor entre o exterior e o interior de um edifício. Este deve ser aplicado pelo exterior da habitação, se esta for de parede simples, ou no meio da parede, se esta for dupla.
Kilowatt hora [kWh]Unidade básica de energia (1 kWh = 3.600 KJ), em que é medido o consumo de energia.
Leito de CheiaParte de um vale que é atingida pelas águas, no caso de cheias. A construção e consequente impermeabilização dos solos têm contribuído para que as cheias atinjam cotas (alturas) cada vez maiores.
LúmenMede a quantidade de luz que uma lâmpada dá. Tem por símbolo lm.
Máquina de Lavar Pré-térmicaMáquina de lavar, loiça ou roupa, que é alimentada com água já quente, proveniente de um esquentador, caldeira ou sistema solar. Estes equipamentos conseguem uma economia significativa em relação às máquinas tradicionais e uma redução dos tempos de lavagem.
Módulo (fotovoltaico)Conjunto de células electricamente ligadas entre si, protegidas dos agentes climatéricos, que pode fornecer energia eléctrica. Normalmente designado por “painel solar fotovoltaico”.
Parede de TrombeParedes com grande inércia térmica, que são usadas para "guardar" o calor quando a parede é atingida pela radiação solar. Esta energia acumulada é depois radiada directamente para o interior do edifício a partir da outra face da parede. É possível arejar este espaço através de duas aberturas.
Plano de Manutenção PreventivaPlano que deverá incluir a descrição das acções necessárias a realizar no edifício, a sua periodicidade e outros pormenores relacionados com a sua execução (principais deficiências possíveis, materiais e técnicas a utilizar). Este instrumento de trabalho permite fazer uma manutenção racional, antecipando possíveis problemas, e consequentemente contribuindo para uma maior qualidade de vida do edifício.
Ponte TérmicaSe o isolamento numa casa não for colocado correctamente e de forma contínua a envolver toda a estrutura da casa, criam-se zonas de transição (pontes térmicas), onde vão ocorrer trocas de ar com o exterior, que por sua vez dão origem a condensações, promovendo o aparecimento de bolores.
Protocolo de QuiotoTratado internacional, que entrou em vigor em Fevereiro de 2005. Destina-se a garantir o combate efectivo às alterações climáticas, através do estabelecimento de compromissos quantificados de limitação ou redução das emissões de gases de efeito de estufa e tem como objectivo a nível global (entre os países industrializados) uma redução de, pelo menos, 5% abaixo dos níveis de 1990. A nível europeu o objectivo é de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa em 8%, relativamente a 1990, durante o período de 2008 e 2012.
Radiação difusaLuz solar recebida indirectamente, resultante da acção da difracção nas nuvens, nevoeiro, poeiras em suspensão e outros obstáculos na atmosfera.
Radiação directaLuz solar recebida directamente do sol através de um raio solar.
Radiação GlobalRadiação solar total que atinge uma superfície sendo igual a soma da radiação directa, da radiação difusa e da radiação reflectida.
Radiação reflectidaParcela da luz solar proveniente da reflexão dos objectos circundantes com edifícios, solo, etc.
RCCTESigla para o Regulamento das Características do Comportamento Térmico dos Edifícios. Aplica-se a todos os novos edifícios, ou àqueles que sejam objecto de remodelações significativas. Exceptuam-se deste regulamento os edifícios que, pelo fim a que se destinam, terem de estar abertos para o exterior durante longos períodos.
Rendimento de um Colector Solar TérmicoDá a percentagem da radiação solar incidente que é transformada em calor útil. Este diminui quando aumenta a diferença de temperatura entre o colector e o meio ambiente, e aumenta com o aumento da radiação solar incidente.
Revestimento de Baixa EmissividadePelícula existente num vidro que reduz a passagem da radiação por uma janela, reduzindo as trocas de calor que são feitas pelo vidro.
RGEUSigla para Regulamento Geral das Edificações Urbanas. Estabelece as regras base para a construção de edifícios, nomeadamente as regras a ter em conta para as habitações terem condições de habitabilidade, salubridade, segurança contra o risco de incêndio e ainda de garantir condições mínimas de natureza estética.
RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios)Regulamento que estabelece as regras a ter em conta no dimensionamento e instalação dos sistemas energéticos de climatização em edifícios e as condições a observar de modo a que: as exigências de conforto térmico e de qualidade do ambiente impostas no interior dos edifícios possam vir a ser asseguradas em condições de eficiência energética; sejam garantidas a qualidade e a segurança das instalações; seja salvaguardado o respeito pelo meio ambiente.
Solar FotovoltaicoSistemas que convertem directamente a radiação solar em electricidade.
Solar TérmicoSistemas que utilizam a radiação solar principalmente para o aquecimento de águas, podendo também produzir-se vapor e electricidade a partir destes sistemas.
TermosifãoEfeito que consiste na movimentação de um fluido que ao aquecer reduz a sua densidade "elevando-se" e que ao arrefecer aumenta novamente a densidade o fluido descende.
Tubo de LuzSistema que utiliza a luz natural para iluminar, sem recorrer à electricidade, espaços interiores da casa que não têm acesso directo à luz solar. É normalmente colocado no telhado, trazendo a luz até alturas inferiores por meio de um sistema de espelhos, que vão reflectindo a luz.
Vidro DuploSistema constituído por dois vidros, que devem ter um espaço preenchido com ar entre eles. Este espaçamento entre os vidros permite diminuir a quantidade de calor que atravessa o vidro quer para o interior quer para o exterior da casa, diminuindo os ganhos de calor pelas janelas no Verão, e as perdas no Inverno. A colocação de certos gases, em vez do ar que respiramos, entre os vidros pode reduzir ainda mais as já inferiores trocas de calor pelos vidros.
Volume ÚtilVolume realmente aproveitável de um equipamento. Valor obrigatório na etiqueta energética para a gama do frio, que tem que ter em conta as arrumações interiores (prateleiras, gavetas, etc.).
Watt [W]Unidade de potência eléctrica (We) ou térmica (Wt), ou quantidade de trabalho (J) realizado numa unidade de tempo. É muito utilizado para designar a potência eléctrica utilizada pelos electrodomésticos, isto é a quantidade de electricidade que o equipamento usa. Aparece por vezes em kilowatt (kW), o que equivale a 1000 W (3 kW é igual a 3 000 W).
Zona de ConfortoPonto em que o homem despende a menor quantidade de energia, para se adaptar ao seu ambiente.

 

 

:: CONSELHOS

Se se coloca esta questão, não se esqueça: uma máquina de lavar e secar roupa tem uma eficiência de secagem menor que uma máquina só de secar roupa.


HOME | DOCUMENTAÇÃO | LINKS | GLOSSÁRIO | CONTACTOS | Site desenvolvido por: