Iluminação | Tipo de lâmpadas | Potencial de poupança | Questões sobre lâmpadas | Conselhos |
Electrodomésticos | A eficiência começa na escolha | Etiqueta Energética | Conselhos | Bolsa |
Equipamentos | Standby e off-mode | Comprar equipamentos | Conselhos |
Climatização | Climatizar a casa | Sistemas de Climatização | Conselhos |
Renováveis | Aplicações | Tecnologias | Benefí­cios e incentivos | Certificação e garantia | Bolsa |

Iluminação - Questões sobre lâmpadas

Aqui pretende-se esclarecer dúvidas que ainda possam existir sobre as lâmpadas fluorescentes compactas.

No site da Comissão Europeia pode também encontrar informação sobre estas lâmpadas.
 
 

  1. A partir de quantos minutos compensa desligar uma LFC?
     
  2. Existe mercúrio nas LFCs?
     
  3. Onde coloco uma lâmpada fundida?
     
  4. O que se deve fazer no caso de se partir uma LFC?

 

 

A partir de quantos minutos compensa desligar a LFC?

Actualmente, ligar e desligar frequentemente uma LFC já não reduz de forma significativa o seu tempo de vida. Estas lâmpadas são concebidas para resistir a mais de 3 000 ciclos de ligar/desligar em 8.000 horas de vida, o que é bastante superior ao que seria necessário na utilização doméstica normal. Em aplicações especiais como os halls de entrada das habitações e as luzes de corredores activadas por sensores de movimento, alguns fabricantes produzem lâmpadas economizadoras para “utilização intensiva” que oferecem até 500.000 ciclos de ligar/desligar e uma duração de 15.000 horas.

De qualquer modo, a ideia de deixar as LFC ligadas durante mais tempo não faz sentido uma vez que estas não consomem muita energia no período de arranque, tornando-se, em algumas marcas, eficientes logo após os primeiros 2/3 segundos.

 

 

Existe mercúrio nas lâmpadas fluorescentes compactas?

As lâmpadas fluorescentes compactas (LFC), tal como as lâmpadas fluorescentes que usamos nas nossas cozinhas (tubulares), contêm mercúrio na sua composição.

Este não constitui, porém, qualquer perigo para a saúde pública, pois a concentração de mercúrio em cada lâmpada é tão baixa que teriam que se partir várias lâmpadas em simultâneo para poder haver perigo para a saúde no curto prazo.

Segundo o disposto na lei, é permitida no máximo a presença de 5 mg de mercúrio por lâmpada (Anexo V do Decreto-Lei 230/2004, de 10 de Dezembro).

Comparando com os termómetros de mercúrio, que têm cerca de 500 mg de mercúrio, pode-se perceber que a quantidade de mercúrio presente nas LFC é de facto muito reduzida.

Outro aspecto a considerar é que o risco de partir uma lâmpada fluorescente acaba por ser muito reduzido, pois o seu tempo de vida é muito longo, pelo que só precisam de ser manuseadas quando são colocadas e retiradas do candeeiro.

Cada vez mais os fabricantes tendem a aperfeiçoar a tecnologia de forma a reduzir a quantidade de mercúrio necessária neste tipo de lâmpadas.

 

 

Onde coloco uma lâmpada fundida?

As LFC e as lâmpadas LED devem ser encaminhadas para reciclagem, por conterem diversas componente que podem ser reaproveitadas, como partes metálicas e vidro, e em particular as LFCs por conterem mercúrio, que é um metal pesado que causa impactes significativos no ambiente.

Assim, se for comprar uma lâmpada nova, pode entregar a fundida na loja, sendo esta obrigada a recebê-la e encaminhá-la para reciclagem, onde o mercúrio é recuperado.

Caso não pretenda adquirir uma lâmpada nova deve dirigir-se a um ecocentro que aceite este tipo de resíduos. Para saber qual o ecocentro da sua área e se este recebe lâmpadas, consulte o site www.omeuecoponto.pt, ou contacte as entidades responsáveis pela recolha de resíduos da sua área de residência.

Poderá também deixar estas lâmpadas num centro de recolha da Amb3E (Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos).

É importante assegurar que as lâmpadas têm de estar isentas de humidade (a Amb3E aconselha o acondicionamento em embalagens de cartão canelado). Para saber onde se encontram os centros de recolha deverá consultar o seguinte link: www.amb3e.pt/mapaCentros.aspx.

 

 

O que se deve fazer no caso de se partir uma LFC?

Em primeiro lugar, deve-se abrir uma janela e deixar a divisão arejar pelo menos durante 15 minutos.

Se a lâmpada tiver caído numa superfície dura, não se deve utilizar o aspirador nem a vassoura para apanhar os resíduos, mas sim luvas de borracha e toalhas de papel para os colocar num saco de plástico. Neste deve ser também colocado o papel usado para apanhar os resíduos da lâmpada e, no fim da limpeza, bem fechado.

Se a lâmpada tiver caído em cima de um tapete ou carpete, o ideal é remover o que conseguir com toalhas de papel e as partículas mais pequenas com uma fita adesiva. Se ainda assim for necessário aspirar, deve-se no fim retirar o saco do aspirador e colocá-lo no saco com os restos da lâmpada.

Em qualquer dos processos, é aconselhável lavar as mãos no final.

O saco com os resíduos da lâmpada e da limpeza deve ser entregue no ecocentro da área de residência para que os mesmos sejam devidamente encaminhados e tratados.

 

 Actualização: Agosto de 2013

Outros projectos Energia por míudos

:: CONSELHOS

Se tem lareira com chaminé sempre aberta ao céu, no Inverno o frio entra-lhe por aqui. A aplicação de um mecanismo que lhe permita fechar a chaminé quando a lareira não está a ser usada, é aconselhada para evitar a entrada do frio indesejado.


HOME | DOCUMENTAÇÃO | LINKS | GLOSSÁRIO | CONTACTOS | Site desenvolvido por: